Vozes Sem Terra -> Imagens & Vozes -> Por categorias -> História: Massacres e már …

English | Português

As Imagens e as Vozes da Despossessão: A Luta pela Terra e a Cultura Emergente do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra)

Língua:

Português (change language to English)

Esta página:

Cultura emergente por categorias -> História: Massacres e mártires 13 recursos (Categorias culturais produzidas por & © Else R P Vieira)

AnteriorAnterior    recurso: 12 de 13    Seguinte

Este recurso se encontra também em:

Poemas
História: Marchas, marcos, congressos

Autor:

Ademar Bogo

Título:

A terra e seus guerreiros (O dia da absolvição de Zé Rainha)

A terra coloca-se frente a frente
Para dizer ao tribunal burguês
Que filho seu sempre é inocente.
No chão "armas" do crime, adormecidas
Foices, facões e enxadas apreendidas
Vão condenar a terra outra vez?
A mais 500 anos de xadrez?
De torturas, mortes e insensatez?
Vão condenar o que?
Nossa vontade de lutar?
Nosso destino de vencer?
Ou nosso direito de sonhar?

Que culpa podem ter as mãos de um povo
Que arma lonas para povoar a terra
Que usa a fome como arma de guerra
E faz da liberdade um canto novo?

Não! As sentenças não vem de canetas douradas
Que dormem preguiçosas nos bolsos magistrados
Os passos dos Sem Terra escrevem as sentenças
E a eles a terra devolve recompensas

E o gosto de comer a liberdade.

Agora a terra em festa quer abraçar seu filho
Que marchará em busca da esperança

Libertaremos a terra e seus viventes
Este será o maior presente
Que ficará escrito na memória.
Vai Zé! Fazer mais luta e criar seus filhos
Vai Zé! Ajudar a colocar os trilhos
Por onde passará o trem da história.

E lá na frente na sombra das bandeiras
Renascerá a vida em uma só trincheira
E cantaremos o hino da vitória.

Poemas : Editado por Else R P Vieira. Tradução © Bernard McGuirk.

Data:

novembro de 2002

Recurso ID:

LANDANDI375

Glossário

Compilado por Else R P Vieira. Tradução © Thomas Burns.

Casas de lona preta
"Termo usado para descrever os barracos nos acampamentos dos sem-terra. Como os barracos são construídos em caráter temporário (embora às vezes os acampamentos durem até três anos), as famílias utilizam plásticos pretos, um produto barato comumente usado para proteger produtos industriais das intempéries; com alguns metros pode-se cobrir a área necessária para acolher uma família. Por outro lado, esse tipo de material concentra muito calor, de modo que, durante o dia, é praticamente impossível ficar dentro dos barracos. Quando há uma grande concentração desses barracos, a mídia costuma chamar de "cidade de lona preta"" (Fernandes, Bernardo Mançano. Pequeno Vocabulário da Luta pela Terra. Inédito). 

Zé Rainha
"Liderança do MST no Pontal do Paranapanema (SP). Destacou-se junto com outros militantes no processo de desentranhamento da maior grilagem de terras do estado de São Paulo. Desde o início da atuação do MST no Pontal, os sem-terra conquistaram 55 assentamentos na região" (Fernandes, Bernardo Mançano e Stedile, João Pedro. Brava gente: a trajetória do MST e a luta pela terra no Brasil. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 1999, nota 4, p. 116). 

Antologia de poemas
Uma seleção de primeira mão, inédita dentro e fora do Brasil. Uma poética militante; a importância social e política do cantador, a construção de um cânone da despossessão; a mulher sem-terra; o tema da morte como horizonte de vida; o projeto pedagógico.
Else R P Vieira

		À Universidade da página bem-vinda de Nottingham

Vozes Sem Terra, site hospedado pela
School of Languages, Linguistics and Film
Queen Mary University Of London, Grã-Bretanha

Coordenadora do Projeto e Organizadora do Arquivo: Else R P Vieira
Produtor do Web site: John Walsh
Arquivo criado em janeiro de 2003
Última atualização: 07 / 05 / 2016

www.landless-voices.org