Vozes Sem Terra -> Imagens & Vozes -> Por categorias -> História: Marchas, marcos …

English | Português

As Imagens e as Vozes da Despossessão: A Luta pela Terra e a Cultura Emergente do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra)

Língua:

Português (change language to English)

Esta página:

Cultura emergente por categorias -> História: Marchas, marcos, congressos 48 recursos (Categorias culturais produzidas por & © Else R P Vieira)

AnteriorAnterior    recurso: 4 de 48    Seguinte

Este recurso se encontra também em:

Composições das crianças

Autor:

Rosane de Souza
(14 anos, sétime série, Escola Estadual de Primeiro Grau 25 de Maio, Assentamento Chico Mendes, Fraiburgo, Santa Catarina.) Reproduzida com a permissão do MST São Paulo

Título:

História de uma criança sem terra
(A criança se muda dos acampamentos. Agora nos assentamentos, ela desenvolve um senso de dignidade e o conhecimento da luta pelos seus direitos. A luta contra a fome e a pobreza.)

Há 15 anos muitas pessoas começaram uma linda história em busca de dignidade, contra a fome e a miséria, mulheres se fizeram mães, eu nasci, eis minha trajetória:

Era uma casa muito engraçada
Era de lona e não de tábua
Esta casinha chama barraco
Quem mora nela é quem não tem terra.

Quem tem uma casa no assentamento
Morou primeiro no acampamento
Hoje tem horta pro seu sustento
Porque produz o seu alimento.

Eu sou criança e quero escola
Nela aprender e brincar de bola
Sou Sem Terrinha já sei lutar
Quero o direito de estudar.

Na minha escola vou aprender
A contar as histórias do meu povo
Semear as sementes do amanhã
E também colher.

Eu sou colona , eu sou criança
Tenho orgulho e esperança
Que todo mundo tenha saúde
Cuide da vida e da natureza
Cuidar da vida e cuidar da terra
Porque a terra é nossa riqueza...

Feliz Aniversário MST!

Composições das crianças : Organizado por Else R P Vieira. Tradução © Thomas Burns.

Data:

novembro de 2002

Recurso ID:

STORYOFA384

Glossário

Compilado por Else R P Vieira. Tradução © Thomas Burns.

Colono
"Colono é uma palavra muito usada no sul do país como sinônimo de pequeno agricultor. A origem vem dos primeiros camponeses que chegaram como imigrantes da Europa, no final do século XIX. Cada camponês imigrante recebeu do governo uma área de terra correspondente a 25 hectares, que foi denominada de "colônia". Por isso seu ocupante passou a ser chamado de colono. No estado de São Paulo, "colono" foi uma designação sociológica para a relação social estabelecida nos cafezais entre os grandes proprietários e os camponeses imigrantes. Colonato era uma forma de parceria em que o camponês imigrante recebia determinado número de filas de café para cuidar. Em troca, recebia do patrão uma casa e autorização para cultivar para seu próprio uso uma pequena parcela de terra" (Fernandes, Bernardo Mançano e Stedile, João Pedro. Brava gente: a trajetória do MST e a luta pela terra no Brasil. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 1999, nota 23 p. 48). 

Desenhos das crianças
Apresentados em 3 concursos nacionais. O Brasil que queremos ter: seus projetos de vida advindos de sua xperiência de despossessão e de uma vida contingente; Brasil, quantos anos você tem: a revisão, pelas crianças, da historiografia oficial; Feliz Aniversário MST!: o impacto do Movimento sobre suas vidas.

Else R. P. Vieira

Veja também: As composições e poemas dos sem-terrinha: a história em revisão

		À Universidade da página bem-vinda de Nottingham

Vozes Sem Terra, site hospedado pela
School of Languages, Linguistics and Film
Queen Mary University Of London, Grã-Bretanha

Coordenadora do Projeto e Organizadora do Arquivo: Else R P Vieira
Produtor do Web site: John Walsh
Arquivo criado em janeiro de 2003
Última atualização: 07 / 05 / 2016

www.landless-voices.org