Vozes Sem Terra -> Imagens & Vozes -> Categorias por mídia -> Cultura: A missão da arte

English | Português

As Imagens e as Vozes da Despossessão: A Luta pela Terra e a Cultura Emergente do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra)

Língua:

Português (change language to English)

Esta página:

Categorias culturais por tipo de mídia: A especificidade da expressão cultural dos Sem Terra por mídia.

Categoria cultural:

 Cultura: A missão da arte

  7 recursos

Tipo de mídia:

 Poemas

AnteriorAnterior    recurso: 6 de 7    Seguinte

Este recurso se encontra também em:

Poemas

Autor:

Ademar Bogo

Título:

A arte de gerar

A poesia é o suspiro apaixonado que sai naturalmente como o hálito perfumado da boca daqueles que teimam levar o corpo através de passos firmes, para construir o futuro por onde passarão as futuras gerações.

Deixaremos como herança aos que ainda vão nascer, para que sintam através do coração, o perfume de cada passo dado como cicatrizes abertas no tempo de cada existência.

Somente produz poesia quem sabe sentir e herdar as poesias já produzidas pela vida da natureza e da humanidade. É o coração quem alerta o caminhante dizendo que:

Há uma flor desabrochando
há uma árvore dormindo
há uma montanha gritando.
há nuvens e arco-íris
há ternura e paixão
há fome, gente morrendo
há dor dentro da canção.
há lábio aberto sorrindo
há povos em procissão
há guerras no tempo indo
há luar cá no sertão.(1)
há seresteiros cantando
há casais de bicho amando
há sonhos no coração...

A poesia é como o mar, que transforma sua prepotência em humildade, prostrando-se aos pés das montanhas, a esperar que a água doce da serra venha lhe matar a sede. O mar não destrói a montanha, porque sabe que não teria mais onde encostar a cabeça na hora que quisesse descançar do balanço das ondas. Assim como a poesia preserva a Vida para que esta se deixe alimentar por ela.

A beleza, cansada foi embora, descansar nos acampamentos dos Sem Terra, à espera de que a terra devolva-lhes o espaço para deixar nascer sementes de beleza e sensibilidade, para germinar um, futuro de paz e solidariedade.

Neruda,(2) Drummond,(3) João Cabral,(4) Marighella,(5) Casaldáliga...(6) renascem na sombra das lonas pretas e se transformam em sonhos naqueles que aprenderam a amar a vida, olhando para um ponto imaginário do horizonte utópico, onde descansa a hora da chegada.

Nós estamos aqui. Nós queremos sonhar e mostrar as belezas que há nos labirintos de nossa existência.

Um dia entenderemos as flores, quando elas nos dirão que, só pode produzir perfume quem não teve medo de se deixar florescer.

 

1 "Região pouco povoada do interior [do Brasil], em especial, a zona mais seca que é a caatinga, ligada ao ciclo do gado e onde permanecem tradições e costumes antigos (Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, Rio de Janeiro: Editora Objetiva, 2001).

2 Neruda (Pablo Neruda): poeta e embaixador chileno, nascido em 1904, recebedor do Prêmio Nobel de Literatura em 1971, vindo a falecer em 1973, poucos dias após o assassinato do Presidente Salvador Allende. Sua poesia inicial, marcada por uma temática amorosa e uma grande sensualidade, a exemplo de Vinte Poemas de Amor e uma Canção Desesperada (1924), transforma-se após sua vivência da Guerra Civil Espanhola, o que ele relata na coleção Espanha no Coração (1938). A partir desse divisor de águas, ele abraça o marxismo, como se evidencia em Canto em Estalingrado (1942).

3 Drummond: (Carlos Drummond de Andrade), poeta nascido em Minas Gerais em 1902. De sua longa, diversa e profícua carreira literária, cita-se Brejo das Almas (1934) e Sentimento do Mundo (1940) onde se evidencia um desejo de solidariedade com os homens.

4 João Cabral de Melo Neto: Poeta e diplomata, nascido em Recife, Pernambuco, em 1920. Seu poema narrativo Morte e vida severina, tendo como subtítulo "Auto de Natal pernambucano", escrito entre 1954 e 1955, constitui um dos marcos na literatura brasileira no tratamento do problema da terra.

5 Marighella (Carlos Marighella, 1911-1969) foi um revolucionário brasileiro, destacado líder da luta armada contra a ditadura militar. Seus quarenta anos de militância tiveram início no Partido Comunista Brasileiro (PCB), com o qual rompe em 1968. Foi o fundador e dirigente nacional da Ação Libertadora Nacional (ALN), organização disposta a iniciar a luta armada, cujo nome ecoa o espírito revolucionário da Aliança Nacional Libertadora (ANL), comandada por Luís Carlos Prestes. Aos 57 anos, foi assassinado pela ditadura (1969).

6 Casaldáliga (D. Pedro Maria Casaldáliga): Bispo, de origem espanhola, da prelazia de São Félix do Araguaia, no Mato Grosso. Testemunhou de perto o número crescente de posseiros pobres num contexto de conflitos e assasinatos pela terra. Sua Antologia retirante (bilíngüe), foi publicada em plena ditadura (1978) pela Editora Civilização Brasileira. Suas poesias expressam seu compromisso com os oprimidos


Poemas : Editado por Else R P Vieira. Tradução © Bernard McGuirk.

Data:

novembro de 2002

Recurso ID:

ARTOFSOW397

Antologia de poemas
Uma seleção de primeira mão, inédita dentro e fora do Brasil. Uma poética militante; a importância social e política do cantador, a construção de um cânone da despossessão; a mulher sem-terra; o tema da morte como horizonte de vida; o projeto pedagógico.
Else R P Vieira

		À Universidade da página bem-vinda de Nottingham

Vozes Sem Terra, site hospedado pela
School of Languages, Linguistics and Film
Queen Mary University Of London, Grã-Bretanha

Coordenadora do Projeto e Organizadora do Arquivo: Else R P Vieira
Produtor do Web site: John Walsh
Arquivo criado em janeiro de 2003
Última atualização: 07 / 05 / 2016

www.landless-voices.org