Vozes Sem Terra -> Imagens & Vozes -> Por categorias -> Cultura: O cânone da excl …

English | Português

As Imagens e as Vozes da Despossessão: A Luta pela Terra e a Cultura Emergente do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra)

Língua:

Português (change language to English)

Esta página:

Cultura emergente por categorias -> Cultura: O cânone da exclusão 10 recursos (Categorias culturais produzidas por & © Else R P Vieira)

AnteriorAnterior    recurso: 10 de 10    

Este recurso se encontra também em:

Poemas

Autor:

Pedro Tierra

Título:

A pedagogia dos aços

Candelária,
Carandiru,
Corumbiara,
Eldorado dos Carajás...

A pedagogia dos aços
golpeia no corpo
essa atroz geografia...

Há cem anos Canudos,
Contestado,
Caldeirão...

A pedagogia dos aços
golpeia no corpo
essa atroz geografia...

Há uma nação de homens
excluídos da nação
Há uma nação de homens
excluídos da vida
Há uma nação de homens
calados,
excluídos de toda palavra.
Há uma nação de homens
combatendo depois das cercas.
Há uma nação de homens
sem rosto,
soterrados na lama,
sem nome
soterrados no silêncio

Eles rondam o arame
das cercas
alumiados pela fogueira
dos acampamentos.

Eles rondam o muro das leis
e ataram no peito
urna bomba que pulsa:
sonho da terra livre.

sonho vale uma vida?
Não sei. Mas aprendi
da escassa vida que gastei:
a morte não sonha.

A vida vale um sonho?
A vida vale tão pouco
do lado de fora da cerca...

A terra vale um sonho?
A terra vale infinitas
reservas de crueldade,
do lado de dentro da cerca.

Hoje, o silêncio pesa
como os olhos de uma criança
depois da fuzilaria.

Candelária,
Carandiru,
Corumbiara,
Eldorado dos Carajás não cabem
na frágil vasilha das palavras...

Se calarmos,
as pedras gritarão...

Poemas : Editado por Else R P Vieira. Tradução © Bernard McGuirk.

Data:

novembro de 2002

Recurso ID:

PEDAGOGY982

Glossário

Compilado por Else R P Vieira. Tradução © Thomas Burns.

Arame farpado
"Formado por dois fios de arame entrelaçados, onde se fixam, de espaço em espaço, farpas do mesmo tipo de metal, o que dificulta ultrapassá-lo ou impede que animais escapem da área cercada. Na luta pela terra, o arame farpado representa a cerca do latifúndio, que significa a expropriação, a violência, a miséria e a fome. Por essa razão, toda a vez que os sem-terra ocupam um latifúndio, cortam a cerca de arame farpado simbolizando o rompimento da situação de excluídos para uma condição de ressocialização e cidadania" (Fernandes, Bernardo Mançano. Pequeno Vocabulário da Luta pela Terra. Inédito). 

Caldeirão
"Uma luta de resistência camponesa, contra os latifundiários, que aconteceu no Ceará na década de 1930, quando foram assassinadas mais de 400 pessoas. O nome Caldeirão refere-se a uma depressão no relevo, onde se encontrava água cristalina durante todo o ano. A área pertencia ao padre Cícero - famoso religioso e político da época - que a entregou ao beato Zé Lourenço e seus seguidores para trabalharem na terra. Todavia, a grande concentração de camponeses naquelas terras chamou a atenção dos fazendeiros, que, temendo o aumento da organização dos trabalhadores e uma possível ocupação de suas terras, iniciaram uma guerra contra os camponeses para destruir Caldeirão. Essa luta continua na memória dos sem-terra cearenses e é muito difundida pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra e pela Comissão Pastoral da Terra. (Fernandes, Bernardo Mançano. Pequeno Vocabulário da Luta pela Terra. Inédito). 

Candelária
"Importante igreja católica da cidade do Rio de Janeiro. Em julho de 1993, em frente à igreja, ocorreu uma chacina, quando oito meninos de rua foram assassinados. Esse fato representa, até hoje, a indignação dos movimentos populares. Por essa razão Candelária transformou-se na representação da luta contra a violência na cidade e no campo" (Fernandes, Bernardo Mançano. Pequeno Vocabulário da Luta pela Terra. Inédito). 

Canudos
(1) "Resistência camponesa ocorrida no sertão baiano, liderada por Antônio Conselheiro, no período de 1893-97. 0 povoado de Canudos chegou a organizar 25 mil pessoas. Cercado pelo Exército, resistiu durante cinco anos a várias ofensivas militares. Como disse Euclides da Cunha em Os sertões, obra clássica que descreve a resistência: "Canudos não se rendeu" (Fernandes, Bernardo Mançano e Stedile, João Pedro. Brava gente: a trajetória do MST e a luta pela terra no Brasil. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 1999, nota 32 p. 63). (2) "0 episódio de Canudos representa um dos pontos altos da luta dos camponeses pobres contra a repressão, a miséria e a fome. Seu líder, o místico Antônio Conselheiro, desde 1870, percorria o sertão do nordeste. ... no Arraial de Canudos fundou a cidade de Belo Monte, que chegou a reunir 30 mil sem-terra, pobres e carentes, e se tornar a segunda maior cidade da Bahia .... 0 pão era repartido igualmente. A posse da terra era coletiva... Em 1897, o Exército Nacional promoveu três expedições, imobilizando 12 mil homens com modernas armas... Em 5 de outubro de 1897, o Arraial de Canudos foi destruído e 5 mil soldados morreram em combate. ...A história de Canudos ocorreu na fase messiânica da luta pela terra (Calendário Histórico dos Trabalhadores. São Paulo: MST, Setor de Educação. 3a. edição, 1999, p.71). 

Carandiru, Chacina de
"Em 2 de outubro de 1992, ocorreu em São Paulo ... o assassinato brutal de 111 presos, do Pavilhão 9, no Presídio do Carandiru ... Os criminosos, responsáveis pela chacina, receberam como punição o rebaixamento ou demissão dos cargos. (Calendário Histórico dos Trabalhadores. São Paulo: MST, Setor de Educação. 3a. edição, 1999, p.70). 

Contestado
"Movimento de resistência camponesa ocorrido entre 1912 e 1916 ao longo do rio do Peixe, em Santa Catarina e no Paraná. Os posseiros resistiram à doação de suas terras a uma empresa inglesa, que as recebera do governo pelo pagamento da construção de uma ferrovia. 0 Exército e tropas federais atacaram os posseiros, para garantir os interesses da empresa inglesa" (Fernandes, Bernardo Mançano e Stedile, João Pedro. Brava gente: a trajetória do MST e a luta pela terra no Brasil. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 1999, nota 34, p. 63). 

Corumbiara, Massacre de
"Na madrugada do dia 09 de agosto de 1995, um contingente de 300 policiais do Comando de Operações Especiais (COE), de Rondônia, investiu contra as 500 famílias de sem-terra que tinham ocupado a Fazenda Santa Elina, em Corumbiara. Tal chacina, que chocou todo o país, teve um saldo final de nove sem-terra mortos inclusive uma menina de sete anos e dois policiais, além de dezenove feridos e muitos desaparecidos" (Calendário Histórico dos Trabalhadores. São Paulo: MST, Setor de Educação. 3a. edição, 1999, p. 59-60). 

Antologia de poemas
Uma seleção de primeira mão, inédita dentro e fora do Brasil. Uma poética militante; a importância social e política do cantador, a construção de um cânone da despossessão; a mulher sem-terra; o tema da morte como horizonte de vida; o projeto pedagógico.
Else R P Vieira

		À Universidade da página bem-vinda de Nottingham

Vozes Sem Terra, site hospedado pela
School of Languages, Linguistics and Film
Queen Mary University Of London, Grã-Bretanha

Coordenadora do Projeto e Organizadora do Arquivo: Else R P Vieira
Produtor do Web site: John Walsh
Arquivo criado em janeiro de 2003
Última atualização: 07 / 05 / 2016

www.landless-voices.org